A cada ano, morrem cerca de seis mil mulheres de câncer de mama no Brasil*

 

A cada ano, morrem cerca de seis mil mulheres de câncer de mama no Brasil, enquanto surgem cerca de 20 mil novos casos da doença.

A única forma de reverter essa situação é a sua detecção precoce. Isso pode ser feito pela própria mulher através do auto-exame das mamas, e do exame periódico feito pelo ginecologista, que deverá solicitar o exame de mamografia. Esse exame deve ser feito anualmente nas mulheres acima de  40 anos.

 A mamografia é um procedimento extremamente efetivo na detecção de pequenos tumores das mamas. Nas pacientes consideradas de risco (portadoras de alterações ou que tenham familiares com câncer de mama), esse intervalo pode variar.

 O exame de ultra-sonografia das mamas é indicado para pacientes jovens ou portadoras de mamas densas e, em alguns casos, é extremamente útil para esclarecer e complementar os achados da mamografia.

Já foram identificados vários fatores de risco para o câncer de mama, mas o principal deles é o familiar. Toda mulher que tiver casos de câncer na família deverá ficar sob vigilância do ginecologista. Na realidade, mulheres acima dos 35 anos devem ser controladas, pois, um terço dos cânceres de mama ocorre em mulheres de 35 a 49 anos.

 Através do exame semestral, o ginecologista pode descobrir tumores pequenos que ainda não se espalharam por outras partes do corpo. Os tumores encontrados pelo exame clínico de rotina podem diminuir a mortalidade em torno de 19 a 48%, comparado com tumores descobertos acidentalmente.

 Por outro lado, o auto-exame das mamas é um cuidado muito importante para garantir a saúde da mulher. Ele serve para verificar se há alguma anormalidade nas mamas ou nas axilas. O achado de qualquer “caroço”, endurecimento ou saída de secreção pelos mamilos, deve ser comunicado imediatamente ao médico ginecologista.

O auto-exame das mamas deverá ser feito de preferência logo após o término da menstruação e durante o banho. Detalhes de como fazê-lo deverão ser discutidos com o ginecologista. Ele está apto para ensinar como fazer um auto-exame de maneira correta.

Encontrar um nódulo na mama é sempre uma experiência aterrorizante; entretanto, apenas 2 entre 10 nódulos são considerados malignos. De qualquer maneira, o ginecologista deve ser sempre consultado, pois só ele é capaz de diagnosticar corretamente a natureza do nódulo.

Mais recentemente, a mamografia tem sido usada para guiar biópsias e retirada de fragmentos de nódulos ou de áreas suspeitas nas mamas, evitando assim algumas intervenções que seriam desnecessárias. Acredita-se que pelo menos 50% dos cânceres de mama podem ser diagnosticados pela mamografia, enquanto que apenas 10% são detectados pelo exame clínico. Hoje já não se discute mais os efeitos que a radiação pode causar nos exames de mamografia, quando se considera os benefícios de um diagnóstico precoce.

 

*Dr. Márcio Lúcio de Miranda

Diretor do Ceap- Centro de Atendimento “a Pessoa

Mastologista, ginecologista e obstetra e

Psicoterapeuta